Há poucas semanas, tive a honra de ser entrevistada por um dos meus professores da Johns Hopkins Bloomberg School of Public Health, Dr. Joshua Sharfstein, sobre a situação que o Brasil enfrenta na pandemia neste momento.

Foi um momento agridoce.
 
Se por um lado, poder falar sobre meu país é sempre uma enorme alegria (e todos os que convivem comigo sabem da paixão que tenho pela minha pátria), por outro é dificílimo expor nossas vulnerabilidades desta forma. Entretanto, é o único caminho para a melhora definitiva.
 
É muito complexo tentar esclarecer sobre as dificuldades que nós encontramos em termos de Saúde Pública, mesmo tendo um sistema tão avançado como o SUS; como é que nos deixamos contaminar pelas ignorância e pelas informações erradas, incluindo parte da população médica, que advoga cegamente por medicações que não só não tratam a COVID-19, como fragilizam corpos e atitudes; como é que a falta da regulação da qualidade da formação médica permite que isso aconteça e como este déficit educacional impacta o momento que vivemos agora; e como é terrível ver o Brasil alijado da discussão em Saúde Pública global – uma realidade de muitas décadas.
 
After public health measures helped stem a massive first wave of infections, fatigue set in, and Brazil is now facing the worst moment of the pandemic so far. Dr. Luana Araujo, a public health consultant for The World Bank, talks with Dr. Josh Sharfstein about why Brazil is struggling despite a robust universal health care system. She also makes the case for greater inclusion of Brazil in discussions of global health.”
 
O podcast é em inglês e está disponível aqui.